segunda-feira, 3 de agosto de 2015

RESENHA: CRÔNICAS DO REI ARTUR - O FILHO DO DRAGÃO


Título: O Filho do Dragão
Série: Crônicas do Rei Artur
Páginas: 476
Autor (a): M.K. Hume
Editora: Record (2012)

Sinopse: 
No início da Idade Média, as legiões romanas retiram-se das ilhas da Britânia, deixando o poder nas mãos de Uther Pedragon, o Alto Rei dos bretões. O governante, porém, perece em seu leito de morte sem a perspectiva de um herdeiro direto para quem deixar o trono. Alheio a isso, Artorex, filho de criação de lorde Ector, cresce na isolada Quinta Poppiniddi. Sua vida muda quando três homens misteriosos o visitam e ordenam que ele receba uma educação de cavaleiro. Com o passar dos anos, Artorex se torna um guerreiro corajoso e hábil. Quando os homens retornam e o convocam para ajudar a conter a ameaça saxã que se aproxima, é momento do rapaz provar seu valor. Apenas ele pode unir os celtas novamente, dando início a uma das maiores lendas da humanidade.

"O Filho do Dragão" é o primeiro volume da trilogia "Crônicas do Rei Artur", escrita por M.K. Hume, uma historiadora especialista nas lendas arturianas. Não conhecia o trabalho da autora até colocar meus olhos nesse exemplar, que primeiramente me chamou muito a atenção por retratar uma história do lendário Rei Artur. Sem mais enrolações, vamos ao trabalho.

Quando ainda bebê, Artorex foi entregue por Lucius de Glastonbury aos cuidados de Ector e Lívinia Poppinidii, senhores da Quinta Poppinidii, que aceitaram o garoto e o criaram juntamente de Caius, filho biológico dos senhores.

Artorex cresce sem saber nada sobre sua família biológica e leva uma vida tranquila, sem ambições, mas que logo tem fim, quando três visitantes misteriosos chegam à Quinta e providenciam que o menino seja educado como cavaleiro, aprendendo assim a arte do combate e montaria para que um dia possa servir ao seu rei, Uther Pendragon, e combater os saxões que estão invadindo as terras do povo celta

De tempos em tempos, Myrddion Merlinus, Llanwith Pen Bryn e Luka retornam à Quinta para verificar o progresso de Artorex, notando que o garoto está se transformando em um formidável guerreiro e excelente líder.

Após mais alguns anos passados, Artorex já é um homem casado, pai de uma garotinha chamada Lícia, e vive em paz como intendente da Quinta Poppinidii, até que os três homens retornam, e dessa vez para levar Artorex para o cumprimento de seu destino, destino esse que foi profetizado para o garoto pela feiticeira Morgana, que certa vez se abrigou junto aos moradores da Quinta.

A partir daí a vida de Artorex começa a mudar, pois o garoto descobre sobre sua linhagem sanguínea, e percebe que foi moldado para assumir o que é seu por direito, e desse modo trazer paz para o seu povo.



"Maior ainda que teu pai, e maior que teu filho, salvarás teu mundo por um tempo, mas será à custa de tudo por que tens amor. O tempo não te modificará, tampouco esfalecerá tua promessa. Viverás, ainda que teu corpo esteja morto, e muito depois que o poder de Roma tenha caído em pó."


M.K Hume fez um ótimo trabalho em "O Filho do Dragão", deixando de lado as lendas fantásticas que conhecemos sobre o Rei Artur e apresentando-nos uma história mais crível, onde Merlin (Myrddion Merlinus) não é um mago, e Caliburn (Excalibur) não é uma espada mágica.

A narrativa é feita em terceira pessoa, mostrando o ponto de vista de cada um dos personagens citados.

O que mais me chamou a atenção na escrita de Hume, foi o modo como ela moldou os personagens, o modo como eles cresceram na história, cada qual com a sua personalidade distinta, justificando suas atitudes e sentimentos.

Hume descreve os cenários com perfeição, detalhando cada parte de cada local explorado, o que torna a construção das cenas em nossas mentes muito mais fácil. Além dos cenários, as batalhas são muito bem descritas, desde o momento em que as estratégias são criadas, até o momento do júbilo da batalha, e ao meu ver, a autora se saiu muito bem nessa parte.



O destino é outro ponto que é bastante citado nesse livro, onde os personagens acreditam que a deusa do acaso, Fortuna, traça os seus caminhos, levando-os assim para a vitória ou para a ruína.


"A Fortuna favorece os bravos, mas protege especialmente os que estão preparados"

"O Filho do Dragão" é uma ótima opção para quem deseja ler uma história mais realista, sem muita fantasia do lendário rei guerreiro, e eu estou ansioso para ler o segundo livro da trilogia.

Avaliação:

  • O Filho do Dragão - Volume 1
  • O Guerreiro do Oeste - Volume 2
  • O Cálice de Sangue - Volume Final

12 comentários:

  1. Deve ser muito bom mesmo este livro. Faz tempo vi um filme do Rei Artur e gostei muito, e ano passado adquiri a trilogia do Rei Artur do Bernard Cornwell e ando adiando a leitura, colocando outros livros na frente não sei por que rsrsrrsrs

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahh, a história do Rei Artur sempre me fascinou, Maurilei. Quando criança eu pegava os espetos de churrasco e saía agitando-os e dizendo "Essa é a minha Excalibur" kkkkkkkk.
      Essa história me conquistou pelo fato de não usar a fantasia que envolve toda a lenda do Alto Rei dos Bretões, com aquela história do mago Merlin ou da espada mágica.
      É um ótimo livro, Maurilei. Recomendo.

      (Quero muito ler a trilogia do Cornwell!)

      Abraços!

      Excluir
  2. Adoro as lendas arturianas! Esse livro vai para a lista com certeza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse vale a pena, Cassiana! Te garanto que não haverão arrependimentos!
      Abraços.

      Excluir
  3. Vou anotar aqui para pesquisar depois. Gostei da indicação.

    devoradores2livros.blogspot.com.br

    Um xero.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o gênero te agrada, Moisés, pode ler sem medo, pois é uma excelente obra!
      Abraços!

      Excluir
  4. Oi, Phelipe!
    Parece bem legal! Adoro as lendas arturianas, mas só li a trilogia do Cornwell - e depois nunca quis ler outra, porque achei que nada seria melhor, haha.
    Abs,
    Isa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Isa! É bem legal sim, viu. Eu ainda não li a trilogia do Cornwell, mas sei que coisa boa me espera haha.
      Abraços.

      Excluir
  5. Adorei!!
    Eu já te disse que sou apaixonada pelas lendas Arturianas. Mas preciso confessar que a parte mais fantasiosa, onde Merlin é sim um mago, me encanta mais hahahahaha
    Esse aí eu não conhecia, mas gostei muito (como qualquer coisa que envolva o rei Artur)
    Vai pra lista ♡♡♡♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui você vê Merlin com outros olhos, Gabi. Dá pra notar o nível de inteligência dele logo nas primeiras páginas. Artur é um personagem que tem uma evolução surpreendente! Ah! Leia logo esse livro! Pretendo ler os dois seguintes ainda esse ano.

      Beijão!

      Excluir
  6. impressão minha ou os caras tentaram copiar a capa das crônicas de artur?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucas.
      Realmente as capas são muito parecidas, até estranhei quando comprei, mas é uma leitura muito gostosa.
      As capas dos dois livros seguintes são menos parecidas com as do Cornwell.

      Abraços, Lucas. Passe sempre por aqui ;)

      Excluir