quarta-feira, 28 de outubro de 2015

RESENHA: A LIGA DOS ARTESÃOS


Título: A Liga dos Artesãos
Série: Alvores #1
Páginas: 272
Autor (a): Lauro Kociuba
Editora: Publicação independente (2015)

Sinopse: 
Elfos, anões, orcs, trolls, dragões, wargs. E se eles existiram de verdade? E se tudo começou a desaparecer quando a Era dos Homens teve início? E se, ainda hoje, houver remanescentes desses seres entre nós?
Alvores é uma história de realidade alternativa, inspirada principalmente em leituras de Neil Gaiman e suas conexões de fantasia e o mundo real, pelo autor. Imagine o nosso mundo atual, mesclando com ficção fantástica, onde existem cidades subterrâneas sob as capitais brasileiras mais precisamente Curitiba (PR); elfos que vivem ocultos entre os homens; descendentes de raças lutando entre si e criaturas fantásticas surgindo e desaparecendo em meio a pontos turísticos.
Todo esse universo é chamado de Alvores, os seres que surgiram na alvorada do mundo.
Acompanhe Tales, um filho de encantados, desvendando uma história envolta a uma trama secular: a luta pela sobrevivência de uma raça. Entre batalhas dos descendentes de alvores, a descoberta de existência de uma cidade inteira sob seus pés e a verdade por trás de vários fatos. O leitor irá, junto com o protagonista, conhecer máquinas de guerra incríveis, personagens com habilidades curiosas, tramas e mistérios ocorrendo nas praças, terminais ou mesmo nas ruas onde passamos diariamente. De modo gradativo e embasado, se estreita a fronteira entre a realidade e a fantasia no livro.
Veja o mundo com outros olhos!


Fantasia urbana ambientada em Curitiba, capital do estado do Paraná. Um dos motivos de eu ter adquirido esse livro foi a curiosidade por conta da capa de aparência misteriosa. O projeto de publicação do livro foi feito pela ferramenta de financiamento coletivo denominada Catarse, que é um meio muito interessante para aqueles, que assim como o Lauro, se aventuram nesse ramo da escrita e desejam ter seus exemplares publicados. Além do Catarse, Lauro também contou com o apoio da Prefeitura de Curitiba.

Bem-vindos a Khur!

Tales, um garoto de 11 anos e filho de elfos, é entregue aos cuidados de Aer'delo, um elfo experiente que aceita o garoto como aprendiz.

Quatro anos se passam desde que Tales foi deixado sob os cuidados de Aer'delo e o garoto está cumprindo uma missão que foi dada pelo seu tutor: vigiar os mestiços (seres que são metade orcs e metade humanos), membros da Mão Negra que estão tramando alguma coisa na Praça do Cavalo.

Bro-Thum e Bro-Muir, dois irmãos anões, também estão encarregados de observar e interceptar os mestiços caso haja alguma coisa suspeita. Além disso, a pedido de Aer'delo, também é parte da missão deles vigiar Tales para que nada de ruim possa acontecer.

Após uma série de acontecimentos, Tales é levado até a cidade de Khur, o reino dos anões que fica no subsolo da cidade de Curitiba. Dentro do reino dos anões, Tales conhece muitos personagens que terão um papel importante na história, como Ael'evendi, um elfo que até então tinha seu paradeiro desconhecido; Bur-Daem, rei de Khur e líder da Liga dos Artesãos, uma sociedade formada para combater a Mão Negra; Bur-Tuir, o príncipe dos anões; a rainha Dwa-Ella; Marcel, o bardo que também é o único humano em Khur e muitos outros.

"— Esperava menos luz e mais sujeira, não é guri? — Bro-Thum percebeu a surpresa no rosto do garoto. — Bah... Somos anões, não toupeiras ou orcs."

Uma reunião da Liga tem início e Tales é convidado para participar. Nessa reunião eles descobrem o propósito de os mestiços estarem agindo estranhos ultimamente, dando início assim ao verdadeiro assunto da trama.

Personagens de "A Liga dos Artesãos"
Por se tratar de um livro nacional, várias pessoas ficam com um pé atrás. Confesso que também já fui assim, mas nossos autores são, assim como Rothfuss, Martin, Gaiman, Tolkien e outros, dignos de serem lidos.

Usando de criaturas tradicionais do gênero, Lauro conseguiu misturar fantasia com realidade, uma coisa que ficou muito, mas muito bacana mesmo, pois os seres fantásticos tem uma certa participação em acontecimentos históricos ao redor do Brasil e do mundo. Destaque para a explicação do nome Curitiba, que é derivado das palavras "Khur-i-Tibah", que significa, na língua dos anões, Khur de cima.

Os personagens inseridos na trama foram construídos com maestria. Apesar de eu ter gostado muito do Bro-Thum, não tem como escolher um favorito. Todos tem uma personalidade distinta, o que os torna muito cativantes.

Ainda falando sobre os personagens, acho legal destacar o modo como os nomes dos anões foram criados. O início do nome de cada anão nos dá uma ideia de qual clã ele faz parte.

Vale ressaltar que, embora o autor esteja usando criaturas clássicas, ele não abriu mão de mostrar um pouco de tecnologia. Os anões são excelentes mecânicos e constroem seu próprio arsenal utilizando de uma tecnologia que nos lembra um ambiente Steampunk.

A questão da tecnologia também é muito interessante, pois os alvores não conseguem usar o mesmo tipo de tecnologia que os humanos.

Referência. Lauro usou muito bem diversas referências dos autores que o inspiraram, mas sempre ditando seu próprio ritmo. Podemos notar em algumas partes do livro frases famosas que foram usadas por Tolkien e outros autores em suas obras.

Por falar em ritmo, a narrativa é feita em terceira pessoa, mas nunca focando em um único ponto de vista. O autor divide em interlúdios os acontecimentos do passado dos personagens, destacando todo o capítulo em itálico. "Ah, mas isso deve deixar a leitura chata". Não. Não deixa a leitura chata, pois é através desses fatores que conseguimos adentrar mais ainda no universo Alvores.

Tratando-se de uma publicação independente, o autor e sua equipe estão de parabéns. A revisão ortográfica e gramatical ficou quase impecável, contendo somente alguns errinhos básicos. A capa é maravilhosa, foi feita de um modo que nos lembra couro, somente com o símbolo em alto-relevo e sem título. Internamente, a diagramação é boa, semelhante a que encontramos nos livros da série Percy Jackson. O livro possui desenhos no fim e no início de cada capítulo, o que deixou a parte física ainda mais bela.

Os demais livros ainda estão por vir. O autor escreveu mais alguns contos após a publicação de A Liga dos Artesãos. Esses contos são facilmente encontrados em formato digital na Amazon.

Avaliação:



"E além disso, obrigado a Tolkien por construir o castelo, a Neil Gaiman por abrir a porta e a Patrick Rothfuss por me convencer a entrar."
Lauro Kociuba






8 comentários:

  1. A história parece ser bem elaborada!

    Seguindo o blog!
    Beijos,
    http://postandotrechos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem elaborada sim! O autor soube encaixar cada coisa em seu lugar e deu um ritmo corretíssimo de início, meio e fim.

      Aconselho a leitura! Você pode adquirir o seu direto com o autor, é só fala com ele no Facebook (Lauro Kociuba).

      Abraços, obrigado por seguir o blog! Volte sempre aqui!

      Excluir
  2. Eu estou louca para ler esse livro!! Só não comprei ainda porque quero ver se o Lauro vai demorar muito para lançar a continuação, já que fico muito ansiosa! xD hehehehe
    Mas adorei ler sua resenha. Não sabia que era uma fantasia urbana e poderia me decepcionar se fosse ler sem saber!

    Infinitos Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ler sem medo, Samy! Eu gostei muito do fato do Lauro ter inovado e colocado esses seres fantásticos em um ambiente urbano!

      Abraços!

      Excluir
  3. Ois,

    Quem sabe venha a ler, vamos ver se surge oportunidade e sim há grandes talentos nos nossos paises que bem merecem ser divulgados :)

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente contigo, Fiacha! Tem tanto escritor bom nos nossos países, mas eles vivem por trás de uma cortina chamada preconceito. O Lauro escreve muito bem e criou uma história extremamente fantástica!
      Quando puder leia sim! É um bem que faz!!

      Abração!

      Excluir