quinta-feira, 23 de junho de 2016

RESENHA: MISERY - LOUCA OBSESSÃO

TítuloMisery - Louca Obsessão
Páginas: 326
Autor (a): Stephen King
Editora: Suma de Letras (2014)

Sinopse: Paul Sheldon descobriu três coisas quase simultaneamente, uns dez dias após emergir da nuvem escura. A primeira foi que Annie Wilkes tinha bastante analgésico. A segunda, que ela era viciada em analgésicos. A terceira foi que Annie Wilkes era perigosamente louca. Paul Sheldon é um famoso escritor reconhecido pela série de best-sellers protagonizados por Misery Chastain. No dia em que termina de escrever um novo manuscrito, decide sair para comemorar, apesar da forte nevasca. Após derrapar e sofrer um grave acidente de carro, Paul é resgatado pela enfermeira aposentada Annie Wilkes, que surge em seu caminho. A simpática senhora é também uma leitora voraz que se autointitula a fã número um do autor. No entanto, o desfecho do último livro com a personagem Misery desperta na enfermeira seu lado mais sádico e psicótico. Profundamente abalada, Annie o isola em um quarto e inicia uma série de torturas e ameaças, que só chegará ao fim quando ele reescrever a narrativa com o final que ela considera apropriado. Ferido e debilitado, em 'Misery - Louca obsessão', Paul Sheldon terá que usar toda a criatividade para salvar a própria vida e, talvez, escapar deste pesadelo.

Após IT: A Coisa, eu volto aqui com mais uma resenha do mestre Stephen King. Como é do conhecimento de muitos, o escritor possui mais de 50 livros lançados e ainda continua em atividade. Misery foi lançado originalmente em 1987. Em 1990, um filme homônimo inspirado na obra foi lançado. O filme rendeu à Kathy Bates o Oscar de melhor atriz.

"Eis uma mulher que tinha sido enfermeira - disso ele tinha certeza. Ela ainda era enfermeira? Não, porque não saia pra trabalhar. Por que ela já não trabalhava? Ela certamente não batia bem; dava para ouvir os parafusos soltos chacoalhando quando ela mexia a cabeça. Se aquilo era óbvio pra ele, mesmo em meio à névoa de dor em que vivia, certamente teria sido óbvio para os colegas de trabalho."

O escritor Paul Sheldon sofre um acidente de carro e desperta de um "coma" dois dias depois com dores excruciantes em seus membros inferiores e impossibilitado de se locomover. Paul descobre que está sob os cuidados da ex-enfermeira Annie Wilkes, uma mulher psicologicamente instável e terrivelmente perigosa que se autointitula sua fã número um.

As coisas começam a desandar quando Annie finaliza a leitura do último livro da série mais famosa de Paul: Misery. A ex-enfermeira não se conforma com a tragédia que custou a vida de sua personagem favorita e faz com que Paul corrija seu erro e traga-a de volta à vida em um novo livro, mas com uma condição: somente ela poderá ler esse novo exemplar da série Misery.

Para conseguir o que quer, Annie utilizará de métodos aterrorizantes. Aos poucos, os medos de Paul não se resumem em perder a vida, mas sim viver sob o mesmo teto que a psicopata, sádica e violenta Annie Wilkes.


Narrado em terceira pessoa, sob o ponto de vista de Paul Sheldon, Misery é um livro que nos apresenta as loucuras de uma mente obsessiva e psicopata ao mesmo tempo em que discorre sobre os processos de escrita.

Misery é um livro onde a história é focada em dois personagens, uma coisa muito diferente do que costumamos ver nas obras do mestre, que é famoso por apresentar mais e mais personagens a cada página. King desenvolve muito bem as personalidades desses dois personagens.

Annie Wilkes é uma vilã criada com maestria. Posso arriscar e dizer que foi uma das melhores vilãs que eu já tive o prazer de ler. Annie apresenta transformações de personalidade, lapsos de memória, instabilidade psicológica e mais uma maré de problemas que fazem com que suas atitudes sejam totalmente desconhecidas.


Stephen King tem a fama de transmitir medo em suas obras, e Misery não é diferente. Esse medo não é proveniente de criaturas ou entidades sobrenaturais, mas sim de uma mente desequilibrada.

Não tenho o que reclamar da edição. Diagramação excelente e revisão impecável.

Se você gosta desse tipo de livro e tem estômago para lê-lo, vá em frente.

Avaliação:


domingo, 19 de junho de 2016

RESENHA: ESPADA E DEVER

Título: Espada e Dever
Páginas: 104
Autor (a): Peterson Rodrigues

Sinopse: Thystium é um mundo que possui os mais diversos perigos. Os inimigos atacam nas montanhas, rios, planícies e florestas. Para fazer frente a essas ameaças, o mundo possui poderosos heróis. Determinados em proteger quem não pode fazer isso por si próprio e nessa luta, os espadachins de Benvähn se destacam. Gavril é um destes guerreiros honrados e nobres, porém carrega uma maldição que corrói seu corpo. Em busca da cura para seu sofrimento, o espadachim se juntará à serva dos deuses estelares Flayfh Merien. Juntos, os dois viajarão através das planícies e do misterioso sul, enfrentando inimigos alienígenas e profanos até o confronto derradeiro contra o misterioso Feiticeiro Azulado. 

Meu primeiro contato com alguma obra do escritor/embaixador do Wattpad Peterson Rodrigues foi em Espada e Dever. Além de Espada e Dever, Peterson também é o autor de Thystium: Quando a Magia Esgota, que foi lançado no ano passado.

*Espada e Dever não é a continuação de Quando a Magia Esgota, mas se passa no mesmo universo.

Vamos à resenha!

Há algum tempo, Gavriel, um espadachim da ordem Benvähn, estava em missão com seus companheiros e seu mestre. Os espadachins foram pegos em uma emboscada armada por criaturas semelhantes a ratos humanóides que possuem a habilidade da invisibilidade. Liderados por um feiticeiros, as criaturas levaram a melhor. Somente Gavriel e seu mestre sobreviveram.

Tempos depois, Gavriel está retornando para o templo Benvähn onde fora criado e treinado. O espadachim está em busca de novas técnicas de combate para vingar seus companheiros.

Após o treinamento, Gavriel parte sem rumo à procura das criaturas. Em sua empreitada, ele conhece Flayfh, uma clériga dos Dez Deuses que, por decisão divina, acompanha o espadachim em sua viagem.

Por se tratar de um livro curto eu decidi parar por aqui, evitando possíveis spoilers.


Os personagens que nos são apresentados em Espada e Dever são muito bem construídos. Ao longo da narrativa, podemos perceber um desenvolvimento mínimo em cada um deles. O maior destaque do livro é Flayfh, a clériga. Ela pode não ser a personagem principal, mas foi a que mais me chamou a atenção. Peterson teve todo o cuidado de criar um personagem do sexo feminino com uma personalidade fortíssima e que não se prende aos estereótipos que vemos por aí.

A narrativa em terceira pessoa se alterna sob os pontos de vista de Gavriel e Flayfh. Gostei bastante da escrita do Peterson e da forma como ele construiu a narrativa. Foi uma leitura muito agradável e que fluiu maravilhosamente bem.

O sistema de magia criado por Peterson é bem curioso. Em Thystium, a utilização de habilidades mágicas tem um preço: a magia consome a força vital do usuário. Quanto mais a magia é utilizada, mais debilitado o usuário se torna e, em casos de excesso, a morte é certeira. Esse sistema de magia é mais bem explicado no primeiro livro (que eu estou devendo a leitura).

Senti falta de um maior detalhamento dos cenários por onde os viajantes passavam. É um ponto a ser observado para as futuras obras do escritor.

Avaliação:



sábado, 18 de junho de 2016

RESENHA: ANJO DA NOITE - CAMINHO DAS SOMBRAS

Título: Caminho das Sombras
Série: Anjo da Noite #1

Páginas: 432
Autor (a): Brent Weeks
Editora: Arqueiro (2016)
Compre um exemplar: Amazon

Sinopse: Para Durzo Blint, matar é uma arte... e ele é o artista mais talentoso da cidade. Temido por muitos, Durzo é uma lenda viva com as mãos manchadas de sangue e nenhuma culpa pelas vítimas que deixa pelo caminho. Esse mundo sombrio também não é novidade para o jovem Azoth. Sobrevivendo entre becos sujos, ele aprendeu que a esperança é uma piada. Pelas regras das guildas, crianças são agredidas e surradas todos os dias. Tentar contestar essa realidade seria um risco alto demais. Mas quando a morte se torna questão de tempo para ele e seus amigos, Azoth se vê forçado a vencer o medo e agarrar a chance de virar um derramador, um assassino. Ele precisa se tornar discípulo de Durzo Blint. Para ser aceito, o garoto abandona sua antiga vida e abraça uma nova identidade. Ao se tornar Kylar Stern, ele aprenderá a transitar no mundo dos nobres, sobreviver às magias de seus inimigos e cultivar uma amizade muito especial: a da escuridão.

Com muitas críticas positivas, uma sinopse bem convincente e uma capa muito chamativa, Caminho das Sombras é mais um lançamento a ser resenhado aqui. A trilogia Anjo da Noite foi a obra de estreia do escritor Brent Weeks, que já ocupa o seu lugar ao lado de grandes nomes da fantasia épica contemporânea.

"— Nunca lute quando não puder vencer."

Azoth é só mais um menino infeliz que vive nas Tocas, o bairro mais pobre de Cenária. Ao lado de seus amigos Jarl e Menina-Boneca, Azoth faz parte de uma das inúmeras guildas de ladrões que é comandada pelo Sa'kagé, a organização "secreta" que comanda todas as atividades ilegais da cidade.

Como se a pobreza não fosse o suficiente, Azoth ainda precisa roubar uma quantia diária em moedas para pagar ao Punho (segundo em comando) da guilda, um rapaz sádico e psicopata chamado Rato. Caso o garoto não pague a quantia solicitada, Rato faz seu show: propõe que o garoto escolha entre a humilhação ou espancamento.

Cansado dos abusos, da fome e da pobreza, Azoth nutre um forte desejo de se tornar aprendiz do melhor e mais temido Derramador de Cenária, o lendário e enigmático Durzo Blint.

Durzo Blint, por Azurereilight.
Durzo é do tipo que não aceita aprendizes, mas decide abrir uma exceção para Azoth caso o garoto consiga executar uma tarefa da qual o Derramador o julga incapaz. Como já era de se esperar, o garoto falha, e com essa falha chegam as consequências. Essas consequências são suficientes para que Azoth execute sua tarefa e seja aceito por Durzo.

Ao se tornar aprendiz do Derramador, Azoth precisa mudar de identidade e passa a se chamar Kylar Stern e a ser reconhecido como um membro da baixa nobreza. É nesse momento que o garoto começa a aprender as artes do assassinato, sobrevivência, história, leitura, etiqueta e todo o necessário para ser um Derramador.

Kylar Stern, por Syku_Wolf.
É nesse momento de sua vida que Kylar conhecerá novas pessoas: Logan Gyre, Mama K, a família Drake e muitos outros personagens secundários.

É aí tudo muda e a história de verdade começa a acontecer!


Brent Weeks utilizou uma narrativa frenética em terceira pessoa, que alterna os pontos de vista entre personagens principais e secundários. As mudanças de ponto de vista acontecem entre e dentro dos capítulos do livro. Essas mudanças apresentam pouquíssimas vezes uma quebra no ritmo da narrativa, o que, a meu ver, foi uma grande sacada do escritor para dar aquele toque de mistério na obra.

Os personagens apresentados inicialmente são muito bem construídos e podemos notar o desenvolvimento/amadurecimento deles no decorrer a leitura. Prepare-se para muitas surpresas com todos os personagens principais e secundários! Os maiores destaques da obra foram Durzo Blint, Kylar Stern, Logan Gyre e Mama K.. Fique atento nesses personagens!

Brent Weeks criou dois sistemas de magia distintos que devem ser mais bem detalhados nos próximos livros: Talento e Vir. O primeiro sistema de magia envolve as sombras e é mais comum em Derramadores. O Vir é o estilo clássico de magia e pode ser usado por meisters, vürdmeisters, magos e bruxos.

Por falar em Derramadores, vamos conhecer um pouco mais sobre eles. Os Derramadores são muito mais do que simples assassinos. Os Derramadores possuem o conhecimento de abençoar um homem com o beijo da morte de maneiras curiosas, ora com venenos muito bem preparados, ora com assassinatos que, de tão bem executados, parecem ter sido feitos por um mero fantasma. Além de tudo isso, um Derramador só se torna Derramador após usar o seu Talento.

Brent optou por não expandir muito a criação do mundo onde o livro é ambientado, mas inseriu personagens de vários cantos de Midcyru na cidade de Cenária. Esse é outro ponto que deve mais explorado nos livros seguintes. Cenária nos lembra uma cidade medieval do período renascentista.

Além da narrativa frenética, personagens muito bem criados e desenvolvidos, uma boa ambientação em cenário medieval renascentista, um sistema de magia curioso e altos conflitos políticos, Caminho das Sombras é um livro repleto de reviravoltas. Quando eu digo repleto de reviravoltas, é justamente pelo motivo de que, a todo o momento, a história toma um rumo diferente.

Infelizmente a minha edição não estava das melhores. Do meio pra frente, encontrei muitas palavras erradas e não encontrei algumas palavras (sim, algumas frases estão com palavras faltando), mas isso não tira em nada o mérito da obra. No mais, a diagramação da Arqueiro está excelente como sempre. O livro tem mapa \o/!

Avaliação:


quinta-feira, 16 de junho de 2016

TAG DOS 50% - MID-YEAR BOOK FREAKOUT!

Dando uma passeada no YouTube, me deparei com essa "TAG dos 50%" no canal Geek Freak, que é uma série de perguntas sobre as minhas leituras desse primeiro semestre de 2016.

0

Vamos lá!

1 - O melhor livro que você leu até agora:

A Roda do Tempo #1 - O Olho do Mundo.
Apesar de todos os clichês que envolvem a história e da semelhança com O Senhor dos Anéis, O Olho do Mundo foi um dos melhores livros que eu li até o momento. Atrás dele, mas ainda melhores do primeiro semestre, estão: Guerra do Velho; Trilogia A Primeira Lei; As Mentiras de Locke Lamora

2. A melhor continuação que você leu até agora:

Ciclo das Trevas #2 - A Lança do Deserto.
A sequência d'O Protegido está levemente superior ao primeiro volume. Foi um prazer ler sob o ponto de vista de Jardir, e muito mais prazeroso foi acompanhar o desenvolvimento fantástico de alguns personagens secundários. O sistema de magia também apresentou alguns "upgrades" que o tornaram muito mais complexo, ou seja: QUE SISTEMA DE MAGIA LINDO!

3. Algum lançamento do primeiro semestre que você ainda não leu, mas quer muito:

Mar Despedaçado #1 - Meio Rei.
O primeiro motivo de eu querer muito esse livro é a capa. O segundo motivo é o escritor. O terceiro motivo é: todos os colegas que leram já estão classificando essa série como A Melhor do primeiro semestre. Sabemos que Joe Abercrombie é um baita escritor (ainda não pode opinar? Leia A Primeira Lei!), então eu posso jogar meu hype lá em cima! 

4. O livro mais aguardado do segundo semestre:

The Reckoners #1 - Steelheart.
Brandon Sanderson é um dos escritores mais amados e endeusados no mundo da literatura fantástica. No finalzinho do ano passado, a Editora Aleph divulgou em sua fanpage do Facebook que publicaria duas das mais aclamadas séries do escritor: The Reckoners e The Stormlight Archive. Os fãs foram à loucura e eu não sou o único que classifica esse como um dos lançamentos mais esperados pro 2° semestre.

5. O livro que mais te decepcionou até o momento:

Trilogia dos Espinhos #2 - King of Thorns.
Prince of Thorns foi legal, mas a sequência não deu muito certo. Não cheguei nem em 20% da leitura e já abandonei. Tudo muito confuso numa narrativa que alternava entre presente e passado. Eu lia um capítulo e dizia "finalmente tô entendendo alguma coisa", mas no próximo tudo despencava de novo. Até já troquei a trilogia.

6. O livro que mais te surpreendeu até o momento:

Chamas do Império #1 - O Teatro da Ira.
Sem nenhuma sombra de dúvidas, O Teatro da Ira foi o livro que mais me surpreendeu nesse primeiro semestre. Como já foi dito na resenha, Diego Guerra fez um excelente trabalho, com pitadas de A Primeira Lei e As Crônicas de Gelo e Fogo, mas não se assustem: ele foi muito, muito original!

7. Seu personagem favorito mais recente:

Perrin Aybara - A Roda do Tempo.
Perrin Aybara foi o personagem que mais me marcou na leitura d'A Roda do Tempo. Ele possui uma personalidade bem moldada, é um rapaz calmo, pensativo, mas muito impulsivo às vezes. Sempre pensa muito antes de fazer ou falar alguma coisa. E agora a melhor parte: LOBOS. Quem leu vai entender o motivo de o Perrin ser tão ♥.

8. Um livro que te deixou feliz nesse primeiro semestre:

Nobres Vigarista #1 - As Mentiras de Locke Lamora.
As Mentiras de Locke Lamora foi um livro que me rendeu muitas risadas. Todos os Nobres Vigaristas são mestres na arte da ironia e do sarcasmo. Além d'As Mentiras de Locke Lamora, também dei muitas risadas com Guerra do Velho. A leitura dos dois livros é mais do que recomendada!

9. O livro mais com a capa mais bonita que você comprou ou ganhou esse ano:

Guerra do Velho.
Dispensa comentários.

10Qual livro você precisa ou quer muito ler até o final do ano?

Os Pilares da Terra.
Eu não vou me perdoar se não conseguir ler Os Pilares da Terra até o final de 2016.


É isso aí, galera. Foi um pouco difícil responder todas as perguntas, pois sempre existe mais de 1 livro que mereça ser mencionado. Aos blogueiros e leitores, sintam-se à vontade para responder essas 10 perguntinhas.

Até mais!

sábado, 11 de junho de 2016

#ESPALHEFANTASIA - 5 SÉRIES DE FANTASIA PUBLICADAS NO BRASIL

"A magia só não existe pra quem não lê fantasia."

Na literatura, a fantasia é o gênero que apresenta elementos imaginários e sobrenaturais em seu enredo. É um gênero que viola as regras da realidade com seus animais falantes, diferentes tipos de magias, criaturas mitológicas e muito mais.


Foi pensando em divulgar esse gênero que vários blogueiros e leitores se juntaram e criaram a campanha #ESPALHEFANTASIA, onde todos os participantes cederam um pouco de seu precioso tempo para indicar as 5 séries fantásticas já publicadas no Brasil que merecem ser lidas por um número considerável de pessoas.

Vamos começar?

A Crônica do Matador do Rei - Patrick Rothfuss.
Sinopse O Nome do Vento: Ninguém sabe ao certo quem é o herói ou o vilão desse fascinante universo criado por Patrick Rothfuss. Na realidade, essas duas figuras se concentram em Kote, um homem enigmático que se esconde sob a identidade de proprietário da hospedaria Marco do Percurso. Da infância numa trupe de artistas itinerantes, passando pelos anos vividos numa cidade hostil e pelo esforço para ingressar na escola de magia, O nome do vento acompanha a trajetória de Kote e as duas forças que movem sua vida: o desejo de aprender o mistério por trás da arte de nomear as coisas e a necessidade de reunir informações sobre o Chandriano - os lendários demônios que assassinaram sua família no passado.

Se você estiver procurando por uma fantasia que foge do convencional, com um sistema de magia envolvendo elementos químicos (?), com personagens ímpares e muito bem desenvolvidos, com música e uma pitadinha de mistério, O Nome do Vento é uma excelente leitura. Patrick Rothfuss é o criador d'A Crônica do Matador do Rei, uma das obras mais aclamadas dos últimos anos. Aventure-se nos Quatro Cantos e acompanhe Kvothe nessa aventura e junte a nós na eterna espera pelo livro que encerra a trilogia!
Música que cai bem durante a leitura: alguns fãs criaram uma trilha sonora não-oficial da obra de Patrick Rothfuss: The Name of The Wind - Unnoficial Soundtrack

Mistborn - Brandon Sanderson.
Sinopse O Império Final: Certa vez, um herói apareceu para salvar o mundo. Um jovem com uma herança misteriosa, que desafiou corajosamente a escuridão que sufocava a Terra. Ele falhou... Desde então, há mil anos, o mundo é um deserto de cinzas e brumas, governado por um imperador imortal conhecido como Senhor Soberano. Todas as revoltas contra ele falharam miseravelmente. Nessa sociedade onde as pessoas são divididas em nobres e skaa - classe social inferior -, Kelsier, um ladrão bastardo, se torna a única pessoa a sobreviver e escapar da prisão brutal do Senhor Soberano, onde ele descobriu ter os poderes alomânticos de um Nascido da Bruma - uma magia misteriosa e proibida. Agora, Kelsier planeja o seu ataque mais ousado: invadir o centro do palácio para descobrir o segredo do poder do Senhor Soberano e destruí-lo. Para ter sucesso, Kel vai depender também da determinação de uma heroína improvável, uma menina de rua que precisa aprender a confiar em novos amigos e dominar seus poderes. 

Brandon Sanderson criou um dos sistemas de magia mais complexos e fascinantes que eu já tive o prazer de ler:  Alomancia. Além de um excelente sistema de magia, o livro nos apresenta o universo no qual a maioria das obras do escritor são ambientadas e também um dos personagens mais bem construídos de todos os tempos. Repleto de reviravoltas e cenas de ação, Mistborn - O Império Final é altamente indicado para todos que desejam se aventurar em algo totalmente novo na fantasia. Atualmente, Brandon Sanderson é um dos escritores de fantasia (se não O escritor de fantasia) mais renomado no exterior. A Editora Aleph já está com os direitos para a publicação das séries The Reckoners e The Stormlight Archive.
Música que cai bem durante a leitura: Twinborn, por David Gruwier.

Ciclo das Trevas - Peter V Brett.
Sinopse O Protegido: Ao cair da noite, eles surgem por todos os lados, famintos por carne humana, demônios de areia, de vento e até de pedra, conhecidos como terraítas. Depois de séculos, a humanidade definhou e se tornou refém da escuridão. Arlen, Leesha e Rojer, jovens sobreviventes, atrevem-se a lutar e encarar as trevas. O jovem Arlen recebe os ensinamentos de um mensageiro e descobre que o medo, mais que os demônios, é o mal a ser combatido. Leesha tem a vida destruída por uma simples mentira e se torna ajudante de uma velha e misteriosa ervanária. E o destino de Rojer muda para sempre quando um menestrel chega à sua vila com uma rabeca. Juntos, eles podem oferecer ao mundo uma última, e fugaz, chance de sobrevivência.

A maior aposta da DarkSide no gênero fantasia. Assim como em Mistborn, Ciclo das Trevas possui um dos sistemas de magia mais bem criados de todos os tempos e personagens muito bem desenvolvidos. Peter V Brett fugiu um pouco do convencional e investiu no que chamamos de Dark Fantasy, onde, além dos elementos característicos da fantasia clássica, também temos elementos de horror.
Música que cai bem após a leitura: não é só uma música, mas o álbum Slayer of God, por Brymir.

Trilogia A Primeira Lei - Joe Abercrombie.
Sinopse O Poder da Espada: and dan Glokta é um carrasco implacável a serviço da Inquisição de Sua Majestade. Nas mãos dele, os supostos traidores da Coroa admitem crimes, apontam comparsas e assinam confissões – sejam eles culpados ou não. Por ironia, Glokta é um ex-prisioneiro de guerra que passou dois anos sob tortura. Mas isso nunca teria acontecido se dependesse de Logen Nove Dedos. Ele jamais deixaria um inimigo viver tanto tempo. Só que isso foi antes. Agora ele está decidido a mudar. Não quer ser lembrado apenas por seus feitos cruéis e pelos muitos inimigos que se alegrarão com sua morte. Já a felicidade do jovem e mulherengo Jezal dan Luthar seria alcançar fama e glória vencendo o Campeonato de esgrima, para depois ser recompensado com um alto cargo no governo que lhe permitisse jamais ter um dia de trabalho pesado na vida. Mas há uma guerra iminente e ele pode ser convocado a qualquer momento. Luthar sabe que, nos campos do Norte gelado, o embate segue regras muito menos civilizadas que as do esporte. Enquanto a União mobiliza seus exércitos para combater os inimigos externos, internamente se formam conspirações sanguinárias e um homem se apresenta como o lendário Bayaz, o Primeiro dos Magos, retornando do exílio depois de séculos. Quem quer que ele seja, sua presença tornará as vidas de Glokta, Jezal e Logen muito mais difíceis. Agora a linha que separa o herói do vilão pode ficar tênue demais.

Certamente é uma das melhores trilogias já escritas. Joe Abecrombie teve o cuidado de criar personagens fantásticos que beiram a realidade em seus atos. Com cenas de ação muito bem descritas, reviravoltas estonteantes e muitas tiradas irônicas e sarcásticas, a trilogia toda é recomendadíssima para todos.
Música que cai bem durante a leitura: Blodmarsch, por Finntroll.

O Senhor dos Anéis - J.R.R. Tolkien.
Já era de se esperar que a maior obra fantástica de todos os tempo fosse ser citada nessa postagem, não é? J.R.R. Tolkien utiliza as características mais clássicas da fantasia em sua magnum opus. É difícil encontrar algum fã do gênero que ainda não tenha lido e relido a trilogia e as demais obras do autor que se passam no mesmo universo. Se ainda não leu, leia.
Música que cai bem durante a leitura: a banda Blind Guardian possui um álbum INTEIRO inspirado no livro O Silmarillion e mais algumas músicas que são inspiradas nas demais obras de J.R.R. Tolkien. O álbum é o Nightfall in Middle-earth.

Menções Honrosas

A Roda do Tempo - Robert Jordan.

Nobres Vigaristas - Scott Lynch.

As Crônicas de Gelo e Fogo - G.R.R. Martin.

As Fronteiras do Universo - Philip Pullman.

Chamas do Império - Diego Guerra (nacional).

Depois disso tudo, o que você está esperando pra começar a ler fantasia? Saia da zona de conforto, desbrave novos mundos e viaje entre as maravilhas que a fantasia tem oferece!

Não se esqueçam de digitar #ESPALHEFANTASIA na caixa de pesquisa do seu Facebook para poder acompanhar todos as postagens de leitores e blogueiros que se juntaram nessa campanha!

Lista de blogs que estão participando:
E assim eu encerro minha postagem de hoje:

0